Papel é possibilidade

No início, o papel era apenas suporte para a arte de Adriana Rizkallah. Mas, por meio da experimentação, característica central do seu trabalho, ela descobre que, a partir do papel, pode fazer o que quiser.

Nas mãos da artista, a matéria-prima essencialmente bidimensional ganha também a forma tridimensional.  E para explorar essa arte, é necessário mais que a visão: é preciso tocar para senti-la e preparar os ouvidos para escutá-la. Quando seu trabalho parece limitado, Adriana começa um novo ciclo de experiência.

Parece mágica. A arte de Adriana Rizkallah é transformar o papel usado e desprezado em desejo.